Publicado em: terça-feira, 11/10/2011

Governo egípcio determina toque de recolher depois de protestos na capital

Milhares de cristãos coptas foram às ruas da capital do Egito, Cairo, no domingo, dia 9 de outubro, para se manifestarem contra a destruição de uma igreja localizada no sul do país. Os protestantes afirmam que os ataques foram feitos por radicais islâmicos, e culpam o governo egípcio por não haver proteção nos tempos.

O protesto aconteceu na frente da sede da TV estatal no Cairo. De acordo com as lideranças do manifesto, este era pra ser pacífico, porém, acabou tomando proporções violentas quando pessoas, que não foram identificadas, começaram a atirar pedras na massa que manifestava. Segundo os cristãos, a polícia utilizou a força para conter a situação.

O tumulto tomou proporções maiores, chegando ao centro do Cairo. De acordo com informações da agência estatal Mena, 24 pessoas foram vítimas fatais do confronto, dentre elas estão três soldados. Além disso, mais de 200 pessoas ficaram feridas. Segundo os manifestantes, tanto cristãos quanto muçulmanos, as mortes aconteceram devido à violência dos militares.

Já na Síria, 31 pessoas foram mortas em diversas regiões do país, de acordo com dados de organizações dos direitos humanos, durante confrontos também no domingo. Os saldados que não quiseram a atirar no povo também foram mortos pelas forças de segurança do governo.