Publicado em: sexta-feira, 29/07/2011

Governo chinês exige que estabelecimentos com WiFi controlem acesso à internet

Nova medidade para controlar o acesso à internet dos habitantes chineses foi anunciada pelo governo do país. Agora, locais públicos, mas que oferecem serviços particulares, devem instalar um software que monitora todas as ações que acontecerem pela internet WiFi do estabelecimento. O problema é que o custo do software pode variar entre 3,1 mil e 9,3 mil dólares e a opção tem sido a de não oferecer mais a internet gratuita no estabelecimento.

O governo exige que tal programa seja instadalo para conseguir rastrear quem são os usuários acessando a internet e qual páginas visitam quando estão online. A China explica que evita que conteúdos “sensíveis” cheguem aos habitantes, sendo que nos últimos anos conseguiu bloquear as páginas do YouTube, do Facebook, do Twitter, entre outros sites pornográficos. Caso os empresários não sigam as orientações do governo, poderão ser multados ou terem suas internets cortadas.

Para o gerente do café UBC Coffee, que fica localizado em Pequim, se a exigência é um obrigatoriedade que o governo impõem, ele não entende por que devem ser os empresários quem pagam para instalar o software. No caso da a livraria Kubrick, também localizada na capital, a maneira para informar seus clientes foi colocando o anúncio “Por motivos que todos conhecem, estamos suspendendo temporariamente nosso serviço de wi-fi.”

Apesar de tantas proibições com a navegação na internet, a China tem o maior número de internautas do mundo. Para alguns clientes, o único motivo para sair de casa e ir a um café é para usar a internet, mesmo que consigam fazer isso da própria casa.