Publicado em: quinta-feira, 11/04/2013

Governo brasileiro limita contato de senador boliviano que está há 11 meses na embaixada do Brasil em La Paz

Governo brasileiro limita contato de senador boliviano que está há 11 meses na embaixada do Brasil em La PazO governo do Brasil tem limitado o acesso para o senador da oposição boliviana Roger Pinto, que está há 11 meses em asilo na embaixada brasileira na cidade de La Paz. Neste momento, apenas familiares e advogados podem manter contato com o senador, além de médicos se for necessário.

O Itamaraty confirma que ocorreu um disciplinamento para as visitas que o senador recebe há aproximadamente um mês, para que seja evitada uma situação que possa ter interpretação de uma atividade política do senador enquanto está na embaixada. O governo do Brasil quis com isto, demonstrar para o governo do presidente Evo Morales, que está cumprindo a Convenção de Asilo Diplomático da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Esta decisão aconteceu no momento que 12 brasileiros estão presos há 50 dias na cidade Oruro, depois da morte de um adolescente boliviano por culpa de um sinalizador que foi lançado por um membro da torcida do Corinthians na partida contra o time do San José, no dia 20 de fevereiro.

Durante a última semana, o chanceler Antonio Patriota disse que estava mantendo contatos regulares junto ao governo boliviano sobre a questão dos brasileiros. Para a filha do Senador Denise Pinto, esta restrição no acesso ao pai dela tem ligação com às mediações dos países sobre a situação que os corintianos estão passando. Denise afirma que está é a linha que Evo Morales segue, a linha da pressão, da chantagem e que a Justiça é utilizada para o interesse próprio dele.

Ela aponta que estas novas restrições, só começaram a existir depois do encontro entre o ministro Patriota com o chanceler David Choquehuanca, boliviano no dia 2 de março na cidade de Cochabamba. Ela afirma que a única mudança com a reunião foi a restrição do contato com o pai dela.

Durante os últimos meses, o senador estava recebendo visitas dos colegas da oposição, de amigos e de pastores, para o aconselhamento espiritual. E agora nenhum pode entrar na embaixada brasileira, e da mesma foram, nem jornalistas podem entrar em contato com o boliviano.