Publicado em: sexta-feira, 24/02/2012

Governo arrecada 102,6 bilhões em impostos em janeiro

Somente em janeiro deste ano, o governo brasileiro arrecadou um valor recorde em impostos: R$ 102,579 bilhões. A informação é da própria Receita Federal. Depois de descontada a inflação, o valor representa ainda um número 6,04% maior que o mesmo período do ano passado. Esta é a primeira vez que a arrecadação de um mês ultrapassa o valor de R$ 100 bilhões.

Segundo a Receita Federal, os fatores que mais contribuíram para o recorde de arrecadação foi principalmente o pagamento da primeira parcela ou cota única do Imposto de Renda para as empresas. Outro fator que contribuiu para este recorde foi o pagamento de royalties relativos à extração de petróleo. Para Zayda Bastos Manatta, secretária adjunta da Receita Federal, o bom desempenho dos indicadores macroeconômicos também contribui para a alta.

Entre os indicadores, destacam-se a importação de bens e serviços, que teve aumento de 17,2% em janeiro de 2012, em comparação com o mesmo período do ano passado. Além da taxa de câmbio, que subiu 6,85%. “A produção industrial de janeiro tem queda de 1,2% em relação ao mesmo período de 2011, mas é um decréscimo menor do que o observado nos últimos meses. A venda de bens e serviços tem crescimento de 4,3%, superior aos dois últimos meses, e a massa salarial tem crescimento expressivo, de 15,47% no mês. O valor em dólar das importações cresceu 14,49% e tem também o efeito da sazonalidade de dezembro”, explicou.

Efeito do IPI

Outro fator que influenciou este resultado foi o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre as bebidas. O aumento deste imposto, anunciado pelo governo em 2010, garantiu um aumento de 52% na arrecadação.

A Receita prevê que a arrecadação dos impostos em 2012 supere o recorde registrado em 2011, de R$ 999,2 bilhões. “A nossa previsão é de crescimento na arrecadação do ano em relação ao ano passado. Não temos como dizer se esse comportamento de janeiro vai se manter ao longo dos meses porque tem arrecadações em atraso que contribuíram para o resultado de janeiro. Pagamentos que poderiam ter ocorrido em dezembro, ocorreram em janeiro. Mas a arrecadação vai continuar crescendo em relação ao ano passado”, afirmou Manatta.