Publicado em: quarta-feira, 18/09/2013

Google compra empresa de compartilhamento de arquivos

Google compra empresa de compartilhamento de arquivosNo começo desta semana, o Google anunciou que adquiriu uma nova empresa: é a empresa Bump, que é do ramo de compartilhamento de arquivos. O anúncio da gigante da internet podem influenciar o Android, o Chrome e até mesmo o iPhone.

Os aplicativos para telefones móveis e o site que o Bump oferece aos internautas permitem que eles transfiram por meio da wireless arquivos como fotos e documentos, além de informações de contatos entre dois aparelhos de telefone móvel quaisquer. Depois de abrirem o aplicativo, os usuários só precisam encostar seus aparelhos de telefone ou tablets para que a transferência seja feito. Também é possível fazê-la apertando um aparelho na barra de espaço do teclado do computador que esteja acessando o site do serviço.

Diferente dos outros sistemas de compartilhamento de arquivos, que dependem de Wi-fi, bluetooth ou do NFC, o Bump envia os arquivos para uma nuvem e utiliza um algoritmo para fazer o pareamento entre os dois aparelhos, baixando o arquivo. Justamente nessa forma simples de se compartilhar os arquivos que o Google teria ficado interessado e por isso adquiriu a empresa.

Davi Lieb, que é CEO do serviço, a empresa se esforça para criar experiências que parecem mágica por meio de matemática, processamento de dados e também dos algoritmos. E ainda afirmou que toda a empresa está animada em se unir ao Google, já que o gigante das buscas tem a mesma visão que eles: a utilização da computação em problemas pode ter mudanças na maneira como interagimos com as outras pessoas e também com o resto do mundo.

Ameaça ao NFC

Para deixar mais simples as transferências de arquivos no Android, o Google usou o NFC com um recurso chamado Android Beam, mas que tem muitas desvantagens. Para esse sistema de compartilhamento de arquivos ser utilizado, é preciso que os dois aparelhos tenham o NFC, fazendo que assim a maioria dos notebooks e desktops saiam fora da jogada, assim como o telefone da Apple, o iPhone. E, sem contar que, mesmo quando os dois telefones têm a tecnologia, os usuários precisam habilitá-lo para que o pareamento seja feito e que a transferência se inicie.