Publicado em: sexta-feira, 18/07/2014

Google celebra Dia Internacional de Nelson Mandela

Google celebra Dia Internacional de Nelson MandelaCelebra-se no dia de hoje, 18 de julho, o Dia Internacional de Nelson Mandela. A data foi instituída pela ONU como homenagem a Madiba, que hoje completaria 96 anos de idade, se não tivesse falecido em dezembro do ano passado. Nelson Mandela era ganhador de um prêmio Nobel da Paz e recebeu esta homenagem das Nações Unidas. O Google também escolheu comemorar a data, com um doodle especial para eternizar o homenageado. O doodle de hoje é interativo e transporta para os usuários alguns dos mais importantes pensamentos de Nelson Mandela, que entrou para a história como líder da África do Sul.

Mandela também entrou para a história como o maior símbolo da luta contra a segregação na África, conhecida como Apartheid. O doodle apresenta uma sequência de pensamentos de Madiba, que inspiraram multidões na luta em busca de igualdade, no combate ao ódio e à segregação racial. Nelson Mandela nasceu na cidade de Mvezo, em 18 de julho de 1918. Ele se formou em direito, se tornando rapidamente líder rebelde na luta pela igualdade, passando 27 anos preso, até ser liberto e eleito presidente da África do Sul, entre os anos de 1994 e 1999.

Ainda hoje é considerar o líder africano mais importante na história, tendo o seu trabalho internacional na busca pelos direitos humanos reconhecido com o Prêmio Nobel da Paz de 1993. Em 2009, Madiba completou 67 anos de sua vida em dedicação ao serviço humanitário, de forma que foi nessa ocasião que a ONU instituiu o dia de seu aniversário como o comemorativo Dia Internacional de Nelson Mandela, como uma forma de valorizar a justiça, a luta pela liberdade e pela democracia, empreendida por Madiba, tendo uma dimensão mundial.

Mandela morreu em Pretória, no dia 5 de dezembro do ano passado, aos 95 anos. Entre os pensamentos de Mandela apresentados pelo doode estão: “Ninguém nasce a odiar outra pessoa por causa cor da pele, da sua origem ou religião” e também “Se as pessoas aprendem a odiar, também podem ser ensinadas a amar, porque o amor é mais natural no coração humano do que o sentimento oposto”.