Publicado em: terça-feira, 19/06/2012

Google afirma que Brasil é o país que mais interfere nas buscas

Pode parecer surpreendente se considerarmos países do Oriente Médio ou a China, mas no ranking dos países que mais pedem pela remoção de algum material de sites ou outros serviços do Google, incluindo buscas na internet e redes sociais, é o Brasil. As informações são de um relatório divulgado ontem, segunda feira (18), pela própria empresa.

Este Relatório de Transparência analisou o acesso dos países entre os meses de julho a dezembro do ano passado. Só no Brasil, foram quase 200 solicitações no total ao Google. Deste número, 128 tem relação com ordens judiciais e outras 66 foram solicitadas pelo poder executivo. Deste total, o equivalente a 54% dos pedidos foram atendidos pela companhia.

O relatório afirma que os pedidos para retirada de material por parte do país brasileiro são altos se comparados com outros países. Uma explicação seria a popularidade do Orkut ainda no Brasil. De acordo com a companhia, ocorreu um grande número de solicitações para a retirada de perfis falsos, em períodos de campanha política.

Relatório

Este relatório que analisa a transparência começou a ser lançado no ano de 2010 e já está na quinta edição da análise. A analista do Google, Dorothy Chou, declarou que as solicitações de retirada de material teve relação, muitas vezes, com temas sobre posicionamentos políticos postados pelos usuários.

Dorothy ainda explica que dentro do período avaliado, o governo da Espanha solicitou a retirada de aproximadamente 270 resultados de buscas que tinham relação com artigos divulgados na rede que mencionavam agentes e outras figuras públicas. Já na Polônia, uma entidade pública solicitou a retirada de um endereço que redirecionava para um post onde era criticada. De acordo com Chou, os pedidos não foram atendidos nesse caso.

Mas, de acordo com o relatório, não são apenas países que solicitam alterações no conteúdo do Google. Os pedidos de retirada de conteúdo por donos de direitos autorais alcançaram quase dois milhões de URLs e quase 25 mil domínios específicos.