Publicado em: quinta-feira, 06/09/2012

Golpes da Internet são responsáveis por um prejuízo de R$224 bi

Golpes da Internet são responsáveis por um prejuízo de R$224 biA empresa de Segurança Symantec realizou uma pesquisa em 24 países para investigar o prejuízo que os golpes virtuais causam em todo o mundo. Os dados revelaram que, somente no último ano, cerca de US$110 bilhões (R$224,3 bi) foram perdidos em golpes.

O Brasil, também investigado no estudo da Symantec, apontou um desfalque de US$ 8 bi (R$16,3 bilhões), prejuízo semelhante ao da Índia. Na China, o valor perdido em golpes da internet ultrapassa a casa dos US$ 46 bi (algo em torno de R$93,8 bilhões). Já nos Estados Unidos, as perdas são menores, US$ 21 bilhões (R$42,8 bi. Os países que apresentaram menor perda foram a Austrália, Rússia e México, todos com prejuízos que somam US$ 2 bilhões (cerca de R$ 4bi).

O estudo avaliou 13 mil pessoas entre 18 e 64 anos de idade e mostrou que, em média, cada pessoa perde US$ 197 (R$401) em golpes na internet. O levantamento ainda aponta que, somente nos últimos 12 meses, avaliados na pesquisa, 556 milhões de pessoas foram lesadas em golpes virtuais. Esse número representa que mais de 1,5 milhão de pessoas são vítimas por dia, ou mesmo, 18 pessoas a casa segundo sofrem um golpe na rede.

No rastreamento feito pela pesquisa, os dados revelam que dois terços dos participantes do estudo fazem uso de dispositivos móveis como celulares, tablets e smartphones, para estarem conectados na Internet.

A Symantec alerta que em apenas um ano, a vulnerabilidade no ambiente móvel dobrou. Esse aumento também está associado às redes sociais. 15% dos pesquisados afirmaram que seus perfis de redes sociais já foram invadidos por outras pessoas e 39% dos participantes do estudo, contam que já foram vítimas de golpes nas redes sociais.

Os especialistas em segurança alertam para as novas formas de envolver os internautas. As táticas agora são usar as plataformas que estão em expansão, como as redes sociais, uma vez que nesses espaços, os internautas ficam menos atentos aos riscos.