Publicado em: sexta-feira, 28/03/2014

Gadgets devem ser ainda mais buscados pela população durante este ano

Gadgets devem ser ainda mais buscados pela população durante este anoA expectativa de vendas de aparelhos eletrônicos para 2014 anima o comércio. O avanço das tecnologias, que oferecem cada vez mais variedade de produtos, e o surgimento de opções cada vez mais acessíveis devem gerar crescimento de 6,9% na demanda neste ano. O dado é de uma pesquisa realizada pela Gartner.

O número real de smartphones, tablets e computadores vendidos nesse ano deve chegar a 2,5 bilhões de unidades no mundo. Porém, a pesquisa identificou que a troca dos computadores pelos tablets deve diminuir de intensidade no ano, já que um não substitui completamente o outro.

Por conta dessa movimentação do mercado, mais aparelhos híbridos devem anunciados em 2014. Além disso, os tablets tendem a surgir com mais novidades para retardar o movimento de saturação do mercado, que já vem sendo identificado e é potencializado justamente pelo surgimento de aparelhos com valores mais populares.

Este efeito de popularização de aparelhos mais básicos afeta principalmente o mercado de smartphones. Segundo a pesquisa da Gartner, estes gadgets representarão boa parte das vendas, que devem crescer impulsionada pela classe média, especialmente em países em desenvolvimento, incluindo o Brasil.

Quem deve influenciar nestes números são as próprias desenvolvedoras de sistemas operacionais para os smartphones e tablets. Apple e Google, que juntas dominam quase 94% dos aparelhos vendidos, buscam alternativas para despertar mais interesse dos consumidores em aparelhos top de linha, incrementando cada vez mais os sistemas Android e iOS. Já outras menos expressivas, como Windows e Firefox, buscam meios de “roubar” clientes das potências do mercado.

Queda

Já venda de computadores é a única que pode fechar o ano com redução em relação a 2013. De acordo com a Gartner, o declínio pode chegar a 6,6%, seguindo na tendência de redução que já vem sendo registrada há alguns anos. Entretanto, a própria empresa que fez a pesquisa salienta que esses são resultados de especulação, baseados em tendências e que podem não se confirmar.