Publicado em: sábado, 22/02/2014

Funk around the world: Naldo estuda línguas estrangeiras, e Anitta canta em espanhol em rádio europeia

Funk around the world: Naldo estuda línguas estrangeiras, e Anitta canta em espanhol em rádio europeiaAs letras mais amenas, temas românticos e a batida envolvente que rompeu as barreiras dos morros do Rio de Janeiro e dominou o Brasil, agora galga espaço no mercado internacional. Desde o ano passado, quando estourou nas paradas de sucesso, Naldo passou a estudar inglês e espanhol, e já declarou a intenção de gravar versões para os fãs de outros países, que crescem cada vez mais.

Já a funkeira Anitta passou da teoria para a prática na última quarta-feira, em uma rádio da Espanha, onde apresentou a até então inédita versão de “Show das Poderosas” em espanhol. Por enquanto, as palavras ainda saem um pouco enroladas, e a cantora precisou do auxílio do apresentador do programa de entrevistas, mas ela garante que está empenhada em dominar a linguagem para ampliar a carreira.

Este avanço do funk não é apenas iniciativa dos nomes com maior visibilidade. Tem grande influência na opção por letras que não falam (pelo menos diretamente) sobre coisas pesadas, como drogas e violência, além de contar com a ajudinha de grandes nomes da música internacional.

Naldo gravou músicas com Timbaland, Kanye West e Will Smith, e ainda contou com a produção do primeiro no seu DVD “Benny”. Anitta, no início da carreira, quant trocou o rock pelo funk, teve influência do cantor, compositor e agora amigo Stevie B, americano, que iniciou ela no estilo com algumas referências do funk e soul.

O fato é que, depois da grande fase de Claudinho e Buchecha e Cidinho e Doca, nenhum outro artista tinha se espalhado por tantas classes sociais, e se popularizado de tamanha forma quanto Naldo e Anitta. Resta saber se estes vão inspirar mais artistas a assumirem posturas menos agressivas e produzirem músicas mais amenas e agradáveis, ou se a iniciativa de Valesca Popozuda, que partiu para o ataque contra a nova onda funkeira, vai gerar um “conflito” dentro do estilo musical.

Volta às origens

Buchecha, que andava apagado e tentou variar o repertório com músicas mais sexuais, agora volta às origens. O novo disco “Adesivo” relembra os tempos da parceria com Claudinho, e aborda temas mais românticos. Para se ter ideia do quão amena está a produção, a maior parte das composições é assinada pelos filhos do cantor, Clauci Julio, de 14 anos, e Giulie, de 10.

Ele valoriza o estilo musical, o qual afirma ter visto “roer osso”, mas que hoje “come caviar”, e cutucou variações que se espalharam entre os jovens de classe C, como o funk ostentação. Segundo Buchecha, ele só “ostenta o amor”, e vê a fase de estabelecimento do funk melody como a melhor fase histórica do estilo musical.