Publicado em: terça-feira, 04/09/2012

Fundador do Megaupload pede desculpa no Twitter

Fundador do Megaupload pede desculpa no TwitterDepois de postar comentários em páginas de rede social sobre abuso sexual, Kim Dotcom, fundador do site de downloads Megaupload, voltou às redes para pedir desculpas públicas pelas brincadeiras postadas. O empresário, que possui mais de 132 mil seguidores, fez comentário referindo-se indiretamente às acusações de estupros que o fundador do site Wikileaks, Julian Assange, enfrenta na Suécia.

No último sábado, Dotcom disse ser uma mosca na reunião entre John Key, primeiro-ministro da Nova Zelândia e Hillary Clinton, secretaria de Estado dos Estados Unidos, e simula ouvir uma conversa: “Mosca na parede. John a Hillary: ‘Sinto muito, senhora presidente, quer dizer, secretária. Por favor, me dê outra oportunidade. Devemos alegar estupro?'”.

O multimilionário está na Nova Zelândia, onde aguarda o começo de seu processo de extradição aos Estados Unidos. Ele é acusado de pirataria virtual. Depois da repercussão do comentário e inúmeras críticas recebidas, principalmente de seus admiradores e dos meios de comunicação, Kim Dotcom obrigou-se a apagar a mensagem.

Entretanto, na segunda-feira (3), o fundador do Megaupload voltou a postar mensagens em seu twitter fazendo alusões ao estupro. Dotcom publicou um link intitulado “15 brincadeiras sobre estupro que funcionam” e alertou às pessoas que não tivessem senso de humor para não acessarem o conteúdo.

O post não foi bem visto por vários de seus seguidores o que o obrigou a pedir desculpas nas mensagens seguintes. O multimilionário alemão publicou a seguinte mensagem: “Perdão se ofendi a alguém. Kate Harding é uma feminista que foi estuprada e ela pensou que estas brincadeiras eram engraçadas”. Dotcom ainda afirmou que considera o estupro um dos piores crimes.

PIRATARIA VIRTUAL

O fundador do Megaupload e outros três executivos foram detidos em janeiro deste ano em uma operação comanda pelos Estados Unidos que combate a pirataria virtual. Os quatro detidos estavam na mansão de Dotcom que fica próximo a Auckland. Além da prisão, o site de downloads foi fechado e seus bens embargados.