Publicado em: segunda-feira, 22/08/2011

Fraude bancária via meios eletrônicos chega a R$ 685 mi

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos), informou nesta sexta-feira (190) que as fraudes bancarias feitas por vias eletrônicas já chegam a acumular o prejuízo e R$ 685 milhões só no primeiro semestre deste ano. Em relação ao mesmo período no ano passo, a aula é de 36%.

O aumento reflete o crescente índice de brasileiros que realizam os meios eletrônicos, principalmente a internet, para realizar seus pagamentos. Além disso, na opinião do diretor Técnico da Febraban, Wilson Gutierrez, não existe um legislação que consiga conter o avanços dos criminosos digitais. Outro motivo indicado pela federação é a falta de atenção e descuido dos usuários durante os processos eletrônicos.

O diretor aponta que as fraudes ocorrem, em sua maioria, devido à captura das trilhas que os cartões de credito deixam nas operações de compra. Ele diz que não existem registrou que apontem fraude eletrônico ou invasão diretamente nos sistemas internos de bancos.

Nos casos de fraude pela internet, a ação mais comum é quando o cliente fornece as suas senhas e código bancarias a estelionatários. Outro fator que influencia o numero crescente de fraude é a falta de equipamentos que realizam a segurança da rede, como antivírus, firewall, sistemas legítimos de operação, entre outros.

A Febraban defende que uma lei seja promulgada pelo Congresso Nacional para frear a ação dos criminosos “cibernéticos”. “Esse artigo tem por objetivo atacar frontalmente os disseminadores de programas que, uma vez acionados pelos usuários de computadores, permitem capturar informações sensíveis, como senhas de acesso e dados pessoais”, defende Gutierrez.