Publicado em: sábado, 15/10/2011

Forças de segurança da Síria matam seis manifestantes em repressão a protestos

Forças de segurança do governo da Síria mataram ao menos seis manifestantes nessa sexta-feira (14) que participavam de protestos massivos contra o governo de Bashar al Assad. Os protestos organizados recentemente contam também com a pressão internacional, que vem avaliando o aumento do número de mortos e as estratégias de al Assad para conter os manifestantes. De acordo com ativistas, os disparos contra os civis acontecerem em Aleppo, a segunda cidade mais importante do país, e nos subúrbios da capital, Damasco.

Outra manifestação foi organizada em homenagem ao líder curdo Mishaal Tammo, morto no começo desse mês. Os ativistas acreditam que Tammo foi morto pelas autoridades do governo. Essa passeata foi realizada em Qamishli, próxima à Turquia, e contou com a participação de 20 mil curdos. A morte de Tammo foi mais um motivo de indignação para a população que vem sobrevivendo há sete meses em um clima de instabilidade política.

Para descrever como acontecem essas manifestações, uma testemunha contou que “as primeiras três fileiras são compostas de meninos e meninas que estão segurando fotos de Tammo. Faixas denunciando o regime estão todas em preto, simbolizando o luto.” Uma terceira marcha foi registrada na cidade de Hirak, onde tanques e tropas invadiram para dar início às repressões.

De acordo com o ativista de Hirak, Mohammad al-Arabi, “existe um otimismo renovado de que os dias do regime estão contados. Estamos vendo mais deserções, as sanções econômicas estão sendo sentidas, o Ocidente está mantendo a pressão e existe mais movimento dos países árabes”.