Publicado em: terça-feira, 09/08/2011

Forças de segurança da Síria atacam civis

O exército sírio matou nessa terça-feira (09) 17 civis na cidade rebelde de Deir el-Zour e pelo menos outras quatro pessoas em diferentes localidades. No domingo (07), foram registradas 55 mortes após combates entre as forças de segurança da Síria e rebeldes que lutam pró-democracia. Na segunda-feira (08), a operação das forças sírias contra a cidade de Deir el-Zour deixou entre 40 a 50 pessoas mortas.

Em pronunciamento oficial realizado pelo presidente do país, Bashar al-Assad, o ditador defendeu a atuação das forças de segurança. “A Síria está no caminho da reforma. Para lidar com criminosos que destroem estradas, fecham cidades e aterrorizam os moradores, esse é o dever do Estado, que precisa defender a segurança e proteger a vida dos civis,” afirmou al-Assad. Conforme as notícias de repressão violenta tomam conta, representantes internacionais tentam negociar com o ditador para que deixe de ser usada a força de segurança contra civis.

Na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, foi recebido por al-Assad em Damasco, capital da Síria. Antes de se encontrar com o ditador sírio, o ministro havia afirmado “não podemos ser espectadores diante dos acontecimentos em um país com o qual compartilhamos uma fronteira de 850 km, vínculos históricos, culturais e familiares.”

Além da representação turca, um enviado brasileiro também estava a caminho para negociar com al-Assad. O subsecretário para o Oriente Médio do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Paulo Cordeiro, foi encaminhado para participar de uma reunião com membros do governo de al-Assad e buscar o diálogo para resolver a situação de violência.