Publicado em: segunda-feira, 03/03/2014

Folia de carnaval no Brasil não é restrita aos fãs de samba e axé

Folia de carnaval no Brasil não é restrita aos fãs de samba e axéQuem não gosta de samba, axé, ou as músicas mais populares no Brasil não precisa fugir para as montanhas ou se esconder em cavernas durante o feriado de Carnaval. No Brasil, os adeptos do rock, jazz e até mesmo da musica erudita têm opções em diversas. Brasília, considerada a capital do rock brasileiro devido ao histórico de grandes bandas que ali surgiram, é uma das opções.

Na capital federal, os cinco dias de folia a base de muita música pesada são curtidos por aproximadamente 2 mil pessoas. O CarnaRock já foi até palco de casamento. Em Vila Velha (ES), Curitiba (PR) e Pelotas (RS), alguns eventos semelhantes são realizados.

Para os fãs de blues e jazz, recomenda-se a fuga para o nordeste. Sim, a terra do axé e do frevo guarda na pequena cidade de Guaramiranga (CE), de 5 mil habitantes, um recanto de ritmos intensos e improvisados graças ao Festival de Jazz e Blues, que chega à 15ª edição neste ano, e que mais que duplica o número de pessoas na cidade nesta época, todos querendo aproveitar a arte dos sopros, cordas e metais.

No restante do ano, os resquícios do festival são as diversas oficinas musicais, que formam novos talentos que, no ano seguinte, apresentam seus dotes musicais junto a nomes consagrados dos dois estilos musicais.

Carnaval recheado de tradições

Já o estado do Espírito Santo incorpora um pouco de cultura manauara e leva, durante o carnaval, a tradição e o folclore da festa do Boi Pintadinho de Muqui, com 22 bois e milhares de foliões. A festa tem direito a tudo o que os principais festivais de bois do Brasil oferecem, com fogos, batucadas e um empolgante desfile que envolve a população de Muqui e os turistas, que saem de lá encantados com a animação do pequeno município.

Outro local onde é possível fugir da mesmice do carnaval é a cidade de Arraias, no interior do Tocantins. Lá ainda é possível encontrar toda a tradição do Entrudo, onde um bloco passa de casa em casa jogando água nos moradores, e tomando cerveja ou comendo farofa. Apesar de parecer invasiva, a festa é muito esperada pela população, que se diverte e aproveita em clima familiar.