Publicado em: quarta-feira, 21/03/2012

FMI alerta para alta dos preços do petróleo

Analistas estimam que o preço do petróleo vá aumentar se a crise do Irã continuar. Para Christine Lagarde, diretora do FMI, os preços podem aumentar de 20% a 30%. Segundoela, o maior problema desse aumento de preço está nas regiões que possuem maiores problemas econômicos. Essa elevação pode prejudicar o crescimento desses países que já sofrem com dificuldades de recuperação. Lagarde lembra que o mundo está muito vulnerável e que qualquer aumento de preço e desequilíbrio pode afetar e prejudicar o desenvolvimento dos países da zona do euro, por exemplo.

Em 2008 o preço chegou a US$ 147. Os contratos futuros estão sendo avaliados no valor de US$ 124,00 por barril, no entanto no início de março o preço chegou a US$ 128. Essa elevação nos preços é resultado da crise na Líbia e dos problemas entre o Ocidente e o Irã. O aumento da crise entre esses governos elevaria o valor do produto. Só este ano já foram 17% de aumento. Lagarde chamou a atenção para um aumento ainda maior, podendo chegar a 30%. Isso pode ocorrer, segundo ela, caso o Irã diminua as exportações. Lagarde falou sobre o preço do petróleo durante uma conferência na Índia.

Situação da Europa melhora com intervenção do BCE

Embora a situação ainda seja preocupante, a economia já vem mostrando sinal de melhora depois dos auxílios oferecidos pelo Banco Central Europeu (BCE). Houve ainda aperto fiscal e ajuda do FMI. Se comparada a situação atual com os últimos três meses, percebe-se uma melhora considerável, segundo Lagarde. Ela disse ainda que não haverá problemas inflacionários com a injeção de aproximadamente € 1 trilhão feita pelo BCE. Essa ação fez parte dos auxílios do Banco Central aos países com problemas mais críticos, como é o caso da Grécia, por exemplo. A presidente brasileira, Dilma Rousseff, foi uma das pessoas que criticou a política européia e chamou o projeto de “tsunami financeira”.