Publicado em: quarta-feira, 01/08/2012

Fiscais agropecuários pretendem paralisar os serviços a partir de segunda-feira

Fiscais agropecuários pretendem paralisar os serviços a partir de segunda-feiraMais uma categoria de funcionários públicos federais anunciou que vai entrar em greve a partir do próximo dia 6, segunda-feira. Trata-se dos fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A categoria está aguardando um posicionamento do governo que deve ocorrer amanhã, dia 2, durante uma reunião marcada entre representantes da categoria e do Ministério do Planejamento. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), Wilson Roberto de Sá, os funcionários esperam uma resposta positiva do governo, pois o sindicato não pretende esperar até o dia 13 de agosto, como o Ministério tem prometido para as demais categorias. O governo tem adiado as negociações e as diversas categorias de funcionários fizeram manifestações essa semana para conscientizar a população sobre a greve.

Manifestantes fazem ato de protesto em Brasília

Na tentativa de mobilizar a sociedade civil os servidores em greve organizaram um ato público em Brasília, na Esplanada dos Ministérios. Os manifestantes se reuniram perto do Ministério da Agricultura e depois foram até o Ministério do Planejamento, onde permaneceram por algum tempo. O objetivo da categoria com a greve é o reajuste nos salários, a contratação de mais funcionários por meio de concurso público e também a regulamentação de servidores que foram para o Ministério da Pesca. Segundo o presidente do sindicato, essa pauta já foi organizada e discutida com o governo nos últimos três meses, no entanto a greve foi aprovada esta semana já que o governo federal não está fazendo esforços para negociar com a categoria. A categoria pede o mesmo reajuste das demais categorias, ou seja, correção salarial de 22,08%. O trabalho desempenhado pelos funcionários é o monitoramento dos produtos nos portos e aeroportos. Hoje existem 3.246 funcionários que trabalham nessa função em todo o país, sendo que esse número é pequeno para a quantidade de locais que exige a presença deles. Para suprir a demanda os servidores pedem também 1,5 mil contratados para auxiliar na função.