Publicado em: segunda-feira, 13/01/2014

Filme ‘Ninfomaníaca’ leva público de curiosos aos cinemas

Filme Ninfomaníaca leva público de curiosos aos cinemasEm apenas 13 dias do ano de 2014, parece que o filme mais polêmico do ano já foi lançado. O longa Ninfomaníaca trata da história de uma mulher viciada em sexo, que estreou na última sexta feira, dia 10 de janeiro. Muita gente tem ido aos cinemas por pura curiosidade, um público formado por 99% dos homens e mulheres que estão interessados em saber o que se passa no filme.

O filme é também do polêmico diretor Lars Von Trier, responsável por cenas como a tortura de Bjork no filme Dançando no Escuro, na cena em que a personagem da atriz Nicole Kidman é estuprada em um caminhão de maçãs no Dogville e até mesmo em Anticristo, com uma cena de mutilação genital. Entretanto, Ninfomaníaca já deu sinais de que vai sofrer com algo que os outros filmes não contaram, com a expectativa alta do público em geral.

Isso porque meses antes do lançamento, muito marketing foi feito em cima do filme, com a divulgação de sequencias de teasers e posters muito instigantes, com vários atores do filme encenando um orgasmo, até mesmo os personagens que nem fazem sexo na história. O problema é que os críticos tem apontado que as cenas de sexo do longa não chocam ou provocam qualquer impacto emocional, por serem muito frias e calculadas.

A frieza é tanta que na primeira relação sexual de Joe, a protagonista conta oito penetrações e a contagem chega até a aparecer na tela. Alguns críticos tem até apontado que a intenção do diretor seja mesmo frustrar o telespectador, mas sem entender muito bem o propósito. A história começa com Joe sendo resgatada por um pescador, que ouve sua história. Enquanto ela explica como atraia os homens, ele compara sua técnica com a de capturar um peixe.

O filme lançado na sexta é a versão com cortes. Somente em março é que será lançada a segunda parte, com uma versão integral e sem cortes que deve honrar os boatos de bastidores que afirmam ser realmente um filme bastante pornográfico. Em quase todos os filmes de Lars Von Trier existe esta relação entre sexo e culpa.