Publicado em: terça-feira, 20/03/2012

Filho de Eike possui histórico de multas por exceder velocidade

Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, que atropelou e matou um ciclista na Baixada Fluminense, no sábado (17), já recebeu multas de excesso de velocidade pelo menos nove vezes, desde dezembro de 2009, quando começou a dirigir. Entre os meses de setembro e dezembro de 2010, ele cometeu cinco infrações do tipo, e no ano passado foram seis. A pesar disso, a assessoria do rapaz garante que no momento do acidente ele estava dentro do limite de velocidade permitido.

O atropelamento aconteceu no inicio da noite na rodovia Washington Luís. Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos, pedalava de volta para casa quando foi pela Mercedes-Benz SLR McLaren de Thor. O homem morreu na hora. O filho de Eike estava acompanhado de um amigo e depois do acidente os dois pediram socorro e fizeram o teste do bafômetro, que deu negativo. Thor prestará esclarecimentos à polícia do Rio às 15h nesta quarta-feira (21).

Em seu Twitter, Thor divulga sua versão sobre o ocorrido

Thor Batista publicou nesta segunda-feira (19), em sua página do Twitter, a sua versão a respeito do atropelamento. Em mais de 40 postagens, ele numerou os fatos ocorridos naquela noite e garantiu que a vítima foi inconseqüente ao atravessar “repentinamente” a rodovia.

Em uma de suas publicações, ele afirma ter permanecido todo o percurso “dentro dos limites da lei” e falou que “repentinamente um ciclista atravessou do acostamento do lado direito até o meio da faixa da esquerda, onde trafegam veículos”. “Me recordo que Wanderson empurrava a bicicleta com o pé esquerdo no chão”, declarou Thor.

O filho de EIke contou também que se feriu no acidente, mas não deixou de prestar socorro à vítima. “Não deixarei a família desamparada sob hipótese alguma”, garantiu. “Estava com dores no corpo, com muito sangue no corpo, tremendo de nervosismo, traumatizado. Nunca tinha sofrido um acidente. Por estes motivos, eu estava fisicamente, psicologicamente e emocionalmente incapacitado de prestar socorro ao Wanderson”, explicou.