Publicado em: quinta-feira, 12/07/2012

Fifa: Havelange e Teixeira receberam R$ 44 milhões em suborno

Após o Supremo Tribunal da Suíça autorizar a divulgação dos documentos do processo que incriminam Ricardo Teixeira e João Havelange de terem recebido subornos da empresa de marketing esportivo ISL, a Fifa decidiu divulgar os detalhes do processo em seu site oficial.

Os dados publicados apontam que a dupla de dirigentes brasileiros recebeu cerca de R$ 45 milhões em propinas na década de 1990, quando estavam na cúpula da entidade que rege o futebol internacional. A Fifa fez questão de frisar que o nome do atual presidente, Joseph Blatter, não é citado em nenhum momento no processo. O presidente da Fifa era aliado de Teixeira e Havelange, mas acabou rompendo com os dirigentes brasileiros 2010, quando acabou não teve apoio para a sua reeleição.

De acordo com o processo, Blatter e Teixeira aceitaram subornos da ISL para negociar os direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo, entre 1992 e 2000. Em troca de propina, os dirigentes favoreciam a ISL, que veio a falir em 2002, para ter direito a transmitir os jogos das competições organizadas pela Fifa.

Ricardo Teixeira através de sua empresa Sanud, teria recebido 12,74 milhões de francos suíços de forma ilegal. Já João Havelange, por meio da Renford Investiments Ltd, teria recebido 7,2 milhões de francos. O ex-presidente ainda teria recebido diretamente mais 1,5 milhão, por meio de depósitos em sua conta.

Em março deste ano Ricardo Teixeira renunciou à presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), e nos bastidores comenta-se que a decisão teria sido tomada já antecipando que seu nome seria divulgado nos documentos da Justiça suíça. João Havelange, por sua vez, também acabou renunciando à cadeira de membro vitalício no Comitê Olímpico Internacional, sob a mesma motivação.