Publicado em: sexta-feira, 21/10/2011

Fifa desconsidera Orlando Silva como interlocutor oficial do Governo para assuntos da Copa

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou nesta sexta-feira (21) que deve vir ao Brasil em novembro para falar sobre a Lei Geral da Copa, que já rendeu discordâncias entre a entidade e o governo, e não citou o nome de Orlando Silva, ministro do Esporte, como interlocutor da presidente Dilma Rousseff. O secretário-geral se pronunciou em entrevista coletiva e afirmou abertamente que está esperando a indicação de novo nome para compor a organização da Copa.

“Em novembro, vamos nos encontrar com o novo representante que a presidenta Dilma Rousseff indicará e que comandará o assunto Copa do Mundo no governo. Estou confiante de que a presidente Dilma Roussef tomou a decisão certa ao apontar uma nova pessoa, independente do que vai acontecer com Orlando Silva,” declarou Valcke em entrevista coletiva em Zurique. O ministro vem recebendo acusações de desvio de verbas desde o final de semana passado, quando a revista Veja publicou reportagem com o policial militar João Dias Ferreira que defende ter provas contra Silva.

Antes mesmo de o escândalo com o policial tomar a proporção quem tem atualmente, o nome de Silva já não era visto como representativo pelo comitê da Fifa. A entidade preferia conversar diretamente com a presidente quando se tratava de assuntos mais delicados.

A participação de Silva em debates sobre a lei da meia-entrada e contratos de exclusividade de transmissão, por exemplo, já era baixa e mostrava que a Fifa não o reconhecia como um interlocutor com poder de decisão. A Fifa busca resolver as pendências da Copa o mais breve possível para apaziguar a relação com o Planalto.