Publicado em: sábado, 29/03/2014

FIFA busca “medalhões” para próximas Copas do Mundo

FIFA busca medalhões para próximas Copas do MundoA FIFA não tem tido vida fácil com suas últimas escolhas para sediar a Copa do Mundo. Por isso, a entidade máxima do futebol já definiu, com muita antecedência, o perfil das próximas possíveis sedes. A busca da entidade será por países organizados, com dinheiro e sem problemas relacionados à política externa. Esta “busca por tranquilidade” da FIFA foi o assunto de uma reunião de dirigentes da entidade, realizada em Zurique, na última semana.

Na reunião, os dirigentes da FIFA reconheceram que, em quatro edições seguidas da Copa do Mundo, a escolha não foi a ideal. Devido a isso, a entidade passou (e continuará passando) por uma série de desgastes.

Escolhas

Em 2010, a escolha pela África do Sul já havia se mostrado problemática. Embora com menor gravidade quando comparado com o Brasil, o país também apresentou diversos atrasos para entregar estádios. O Mundial na África do Sul também conviveu com greves em setores estratégicos, como a dos trabalhadores do setor de segurança.

A Copa no Brasil, por sua vez, também tem dado muitos problemas para a entidade. Além dos atrasos na construção dos estádios, há uma série de questões envolvendo a situação logística e estrutural do Brasil.

A escolha da sede para a Copa do Mundo de 2018, para a entidade, já é considerada um erro. A escolha da FIFA foi pela Rússia, país que tem sido alvo de críticas internacionais devido à rigidez de algumas leis, à intolerância contra minorias e aos conflitos políticos com países vizinhos.

Qatar

Por fim, há a Copa de 2022, que terá o Qatar como sede. Para a FIFA, este foi considerado o maior erro, pois o país tem apresentado problemas em quase todas as áreas possíveis. No momento, a escolha da sede passa por uma investigação do FBI, que desconfia da compra de votos na eleição do Qatar. A utilização de operários imigrantes, em péssimas condições de trabalho, para a construção das estruturas do Mundial, também preocupa a FIFA. Por fim, há a questão climática, que já fez com que a FIFA cogite a realização da Copa do Mundo em outro período do ano de 2022, para evitar as fortes ondas de calor do Qatar.

Silêncio

Apesar da reunião dos dirigentes da FIFA, publicamente o assunto ainda é tratado com reservas. Quando questionado sobre a Copa no Qatar, Michel Platini, presidente da UEFA, preferiu desconversar, afirmando que é necessário tratar de um assunto de cada vez – ou seja, a prioridade é a Copa no Brasil.

Embora não admita publicamente, Platini (que deve concorrer à presidência da FIFA em 2015) é um dos maiores defensores do retorno da Copa do Mundo para países com melhores condições de lidar com o evento.

Candidatos

A política da FIFA para as próximas sedes da Copa do Mundo deve fortalecer a candidatura de Espanha e Inglaterra para sediar o Mundial de 2026. Por outro lado, Uruguai e Argentina podem ser prejudicados. Os dois países pretendem se candidatar para o Mundial de 2030.