Publicado em: quinta-feira, 03/01/2013

FBI reedita e divulga arquivos de Marilyn Monroe

FBI reedita e divulga arquivos de Marilyn MonroeNeste final de ano, o FBI lancou uma nova versão de arquivos da musa. Neles, há noves de pessoas próximas que chamaram a atenção de funcionários do governo sobre possíveis envolvimentos com o movimento comunista. Apesar disso, esses documentos não revelam novas informações sobre a morte da atriz de cinema que aconteceu há 50 anos. Cartas e outros textos revelam a crença no assassinato de Marilyn, mas não mostra dedicação para investigar as alegações.

As autoridades de Los Angeles concluíram que a morte de Monroe tem maiores chances de ter sido por suicídio. Os arquivos atualizados do FBI foram obtidos pela agência Associated Press por meio do Ato de Liberdade de Informação. Pelo que tudo indica, as pessoas citadas tinham a preocupação do contato de Marilyn com Frederick Vanderbilt Field, que foi deserdado pela família por causa de suas visões esquerdistas.

Fotos inéditas dela foram vendidas por US$ 750 mil em leilão na capital da Polônia, Varsóvia. Além de Marilyn, Audrey Hepburn, Grace Kelly, Marlene Dietrich e Liza Minnelli também tiveram suas fotos leiloadas. A mais valiosa de Marilyn foi comprada por US$ 20 mil. No retrato, ela aparece vestida como uma bailarina.

Outra em que ela aparece inclinada e vestindo meias pretas também foi bem avaliada. Marilyn deitada em uma cama foi arrematada por US$ 8,5 mil. O autor das imagens é Milton Greene que fotografou a atriz entre os anos de 1953 e 1957, época em que ele era conselheiro e consultor de negócios dela.

Desde o ano de 1990 as fotografias estiveram na Polonia recebidas como parte do pagamento de uma dívida altíssima e estavam esquecidas em um armazém na cidade de Nova York. O acordo da dívida incluiu uma coleção de 4 mil fotografias. Entre elas há retratos de Frank Sinatra, Liza Minnelli, Marlene Dietrich, Paul Newman, Alfred Hitchcock e Marlon Brando.