Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

Família de menina morta por jet ski quer R$ 5 milhões de indenização

Após o indiciamento de quatro pessoas pela morte de Grazielly Lames, de três anos, atingida por um jet ski desgovernado no dia 18 de fevereiro, a família da vítima quer indenização de R$ 5 milhões. O caso ocorreu na praia de Guaratuba, em Bertioga, litoral de São Paulo, enquanto a menina brincava na areia com familiares. O veículo estava sendo dirigido por um adolescente de 13 anos, que, logo depois do acidente, fugiu sem prestar socorro à vítima.

O advogado da família menina, José Beraldo, se disse insatisfeito com o resultado da apuração do caso, que foi divulgado na tarde da última quinta-feira (29), em Santos, também no litoral de São Paulo. O inquérito, que indiciou quatro pessoas como sendo responsáveis diretamente pelo acidente, foi presidido por Rony da Silva Oliveira, delegado da Delegacia Seccional de Santos. Os indiciados por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, foram o dono do jet ski, José Augusto Cardoso; o caseiro que ajudou o adolescente a transportar o jet ski até a praia, Erivaldo Francisco de Moura, conhecido como “Chapolin”; além de dois mecânicos que realizaram a revisão do equipamento dois dias antes de ocorrer o acidente: Ailton Bispo de Oliveira e Tiago Veloso Lins.

De acordo com o advogado da família, todas as pessoas que se encontravam na casa de praia no momento do acidente tinham que ser indiciadas por dolo eventual, quando há consciência dos riscos que o ato pode produzir. Segundo Beraldo, o valor de R$ 5 milhões foi estipulado com base na vida que a vítima poderia ter tido, além da vivida pela família e da comoção nacional que o caso provocou. Ele também considerou o grande poder aquisitivo dos familiares do menino que dirigia o jet ski.