Publicado em: sexta-feira, 12/04/2013

Falta de licença obriga Votorantin a recorrer a terceiros para produzir alumínio

Falta de licença obriga Votorantin a recorrer a terceiros para produzir alumínioA Votorantim Metais tem buscado novas alternativas para manter a alta produção de alumínio após a interrupção de outorgas de lavra pelo governo. O grupo do conhecido empresário Antônio Ermírio de Moraes não tem a licença e por isso não consegue produzir a matéria prima do alumínio em Minas Gerais.

Maior produtora de alumínio do Brasil com quatro unidades espalhadas pelo sudeste do país, a Votorantin busca nos concorrentes a opção de dar continuidade com a produção sem que haja alteração da qualidade do produto final perante seus fornecedores.

As demais unidades da Votorantin trabalham para abastecimento da matriz em Alumínio – SP com a produção de bauxita, o agravante é que a demanda foi alta e devido ao esgotamento, foi necessário buscar novos campos de exploração, porém nestes locais, a empresa não possui a licença do governo para operar.

O órgão fiscalizador do governo aguarda novas regras, e enquanto a licença não sai às aquisições de material bruto nas empresas vizinhas continuam em alta. Existem cerca de 120 projetos de mineração aguardando a autorização para começarem a operação. O plano inicial de investimento da Votorantin era de aproximadamente 15 bilhões no período de 2011 a 2013, dos quais 6,5 bilhões de reais seriam investidos na divisão de metais.