Publicado em: quinta-feira, 09/02/2012

Facebook: rede se compromete a eliminar dados apagados pelos usuários

A rede social mais popular do mundo, o Facebook, se comprometeu com a exclusão definitiva de seus servidores as informações que forem apagadas pelos usuários. A informação foi divulgada por ativistas austríacos que são a favor da proteção de dados e que têm enfrentado o gigante das redes sociais.

O Facebook armazena informações de seus usuários classificadas em, no mínimo, 76 categorias. A rede também se comprometeu a oferecer mais detalhes sobre a gestão de seus dados. Max Schrems, estudante de direito de 24 anos, foi o promotor das queixas contra a rede social e divulgou na terça-feira as promessas da rede numa entrevista coletiva em Viena.

A sede internacional da empresa, responsável por agrupar todos os usuários, com exceção dos Estados Unidos e Canadá, fica em Dublin, onde ativistas apresentaram 22 queixas às autoridades de proteção de dados da Irlanda. Neste país as leis são mais rígidas do que as americanas neste campo.

As discussões e acordos

Depois de alegar que a rede social não cumpre as normas da União Europeia sobre o controle de dados, foi iniciada uma negociação dentro da legislação irlandesa para chegar a um acordo amistoso. Os ativistas anunciaram o avanço nas discussões.

“Conseguimos que o Facebook nos entregue uma lista com todas as categorias de dados que guardam sobre nós (os usuários)”, anunciou Schrems na terça-feira (7). Ele assegurou que o grupo continuará pressionando a empresa para que a gestão dos dados dos usuários seja cada vez melhor.

O estudante Schrems vem empreendendo sua batalha legal contra o Facebook há alguns meses. Tudo começou quando ele descobriu que a empresa matinha um arquivo sobre ele com 1.222 páginas divididas em 57 categorias, entre elas hobbies, gostos, opiniões religiosas e etc. O arquivo foi o que motivou a realização das queixas junto às autoridades irlandesas, que deram razão ao estudante no final de 2011, além de um prazo de seis meses para que o Facebook melhorasse suas políticas de privacidade.