Publicado em: quarta-feira, 05/03/2014

Facebook pretende investir em drones

Facebook pretende investir em dronesOs drones, pequenos aviões não tripulados, têm despertado cada vez mais o interesse das empresas de tecnologia. A primeira a adquirir estes equipamentos foi a Amazon, que já tem feito testes para iniciar entregar através de drones. Agora, é o Facebook quem está disposto a começar a investir no sistema. De acordo com o site TechCrunch, especializado em tecnologia, a empresa de Mark Zuckerberg negocia, no momento, a aquisição da Titan Aerospace, empresa que fabrica drones. O valor da compra estaria na casa dos U$60 milhões.

Objetivo

O interesse do Facebook por drones teria relação direta com o projeto internet.org, que tem como objetivo levar a internet para o mundo inteiro. Os drones da Titam têm baterias que se utilizam da energia solar para fazer a recarga, além de pilotos automáticos.

Desta forma, os equipamentos podem funcionar como satélites, embora permaneçam dentro da atmosfera do planeta. Contudo, os aparelhos são muito mais baratos do que satélites de verdade. Assim, seria possível que drones fossem utilizados para levar conexão à internet aos pontos mais remotos do planeta.

Projeto inicial

De acordo com o TechCrunch, inicialmente o Facebook utilizaria onze mil drones, em uma espécie de projeto piloto na África. Curiosamente, este plano é parecido com outro, divulgado recentemente pelo Google, que tem a intenção de levar conexão a todo o planeta através do projeto Loon. Neste caso, entretanto, os “satélites” seriam balões.

A Titan Aerospace foi criada no estado do Novo México, como uma startup. Até hoje, a empresa já recebeu várias rodadas de investimento.

Leis

Até o momento, o Facebook não confirmou nem desmentiu as informações publicadas no TechCrunch. Caso o interesse na Titan Aerospace seja verdadeiro, é possível que o investimento do Facebook nestes equipamentos acelere o processo de regulamentação de drones nos Estados Unidos. Este é um dos principais problemas a serem enfrentados pela empresa: cada país possui regulamentação própria sobre a passagem de drones em seus espaços aéreos. Por isso, o Facebook terá de negociar individualmente com cada país sobre a utilização dos dispositivos.

Apesar do otimismo do Facebook e de outras empresas com drones, muitos especialistas em tecnologia acreditam que estes projetos não serão viáveis em curto prazo. No final de 2013, Jeff Bezos, fundador da Amazon, informou que tem a intenção de utilizar drones para entregas curtas da empresa. Segundo o executivo, dentro de cinco anos o sistema poderia funcionar normalmente. O problema, para ele, é apenas o avanço da legislação.

Contudo, a situação é um pouco mais complexa. De acordo com Antônio Castro, da Associação Brasileira de Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança, a utilização de drones é impensável para estes fins. Castro afirma que não existe ainda uma tecnologia que impeça a colisão de drones com outros equipamentos, ou até mesmo com prédios. Outro risco seria simplesmente a queda do dispositivo, o que poderia ferir pessoas que estão nas ruas. Além da questão da segurança do voo, há também uma série de impasses relacionados à invasão de privacidade.