Publicado em: quarta-feira, 19/10/2011

Exército turco atravessa fronteira com o Iraque em busca de ativistas do PKK

O Exército turco cruzou a fronteira com o Iraque nesta quarta-feira (19) para começar a “vingança” prometida pelo presidente da Turquia, Abdullah Gul, após ativistas curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) matarem 26 soldados em ataque realizado na madrugada da última terça-feira (18) para a quarta. As tropas turcas avançaram de 3 a 4 quilômetros no norte do Iraque, região onde estão instaladas as bases do PKK.

Depois de terem recebido a notícia sobre a morte dos soldados, o governo turco prometeu dar início à retaliação por ataque terrestre e bombardeio aéreo. A Força Aérea do país começou a bombardear refúgios do PKK, os quais ficam localizados principalmente na região de Qandil, conhecida por formações montanhosas. Até o momento não foram divulgadas informações sobre vítimas dos ataques das forças turcas contra o PKK. Estima-se que cerca de 2 mil rebeldes estejam entrincheirados na região montanhosa do Iraque e que ao menos cem tenham participado do ataque contra os soldados.

Este episódio foi a maior operação contra o Exército turco desde 1984, quando o PKK surgiu com o objetivo de estabelecer a luta armada. Os curdos integram 20% da população da Turquia e exigem ampliação aos seus direitos políticos e culturais.

Em outro momento, o primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, havia alertado o Iraque para que tomasse conta das bases do PKK instaladas no seu território. Na ocasião, Erdogan afirmou que caso o governo iraquiano não resolvesse a questão, a Turquia se encarregaria de “limpar” a região. Além dos soldados mortos, outros 22 ficaram feridos.