Publicado em: terça-feira, 13/03/2012

Ex-executivo do Banco do Brasil será investigado por comissão

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu abrir processo para investigar as denúncias de corrupção feitas contra o ex-vice-presidente do Banco do Brasil, Allan Toledo. Agora, o relator do caso passa a ser Américo Lourenço Masset Lacombe, novo conselheiro do colegiado. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Toledo recebeu cinco depósitos por mês no ano passado, em um total de R$ 953 mil. Ele era o vice-presidente de Atacado, Negócios Internacionais e Private Banking do Banco do Brasil até o fim de 2011.

O dinheiro depositado seria de Liu Mara Fosca Zerey, aposentada, e teria vindo da venda de um imóvel na capital paulista. O jornal informou que o imóvel em questão nunca chegou a ser vendido, baseando-se nos registros da prefeitura de São Paulo.

De acordo com a publicação, o próprio banco está cuidando da investigação, em parceria com a Polícia Federal. A origem das denúncias foi o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), instituição do Ministério da Fazenda que cuida do monitoramento de transações financeiras suspeitas. A partir de agora, o Ministério determinou a criação de uma nova sindicância para verificar se os extratos bancários do ex-vice-presidente do Banco do Brasil sofreram algum tipo de violação.

Além de abrir esta investigação, o conselheiro Fábio Coutinho pediu a volta das investigações do processo contra o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), do qual Coutinho é relator. O ministro teria conseguido benefícios ao prestar consultoria para uma empresa que viria a ser contratada posteriormente pela prefeitura de Belo Horizonte, onde ele já foi prefeito.