Publicado em: quarta-feira, 22/02/2012

Ex-diretor do FMI é detido na França

Ex-diretor do FMI é detido na FrançaNesta terça-feira, dia 21 de fevereiro, o ex-diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn foi detido para a realização de investigações em Lille, no norte da França, por “ocultamento de abuso de bens sociais” e “cumplicidade com a prostituição”, no conhecido “caso do hotel Carlton”, de acordo com a promotoria que investiga o caso. O ex-diretor chegou na manhã de ontem em um quartel da polícia francesa, e depois foi detido para começarem as investigações.

Inicialmente, Dominique Strauss-Kahn era o principal e mais provável candidato à presidência da França, que iria concorrer ao cargo com o atual presidente do país Nicolas Sarcozy. Porém, o ex-diretor do FMI largou a vida pública depois de sua detenção na cidade de Nova York, nos Estados Unidos, onde foi acusado de tentar estuprar uma funcionária do hotel em que estava hospedado.

Escândalos estão arquivados

A camareira Nafissatou Diallo, que teria sido a vítima em Nova York, abriu um processo contra Strauss-Kahn através de uma ação civil logo depois que as acusações criminais contra o ex-diretor foram retiradas pelos promotores do caso. Fora isso, uma escritora parisiense também havia feito acusações contra Strauss-Kahn, que também foram arquivadas pela polícia do país em outubro, poucos dias antes do nome do ex-diretor novamente ser mencionado, agora na investigação Lille.

Esta investigação é focada em uma rede de prostituição que teria fornecido mulheres para os clientes hospedados no luxuoso hotel Carlton. Até o momento, empresários franceses e um comissário de polícia já foram presos com envolvimento no caso. O advogado de defesa de Strauss-Kahn, Henri Leclerc, afirma que o ex-diretor do FMI participava das festas, mas não tinha conhecimento de que as mulheres eram prostitutas, pois está prática não é legalizada em território francês.