Publicado em: terça-feira, 20/05/2014

Ex-diretor da Petrobras sai da prisão, a decisão foi do ministro do STF

Ex-diretor da Petrobras sai da prisão, a decisão foi do ministro do STFNa tarde dessa segunda-feira (19), o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que estava preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, ganhou a liberdade. O responsável pela decisão, foi o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, que deferiu a liberdade imediata dos onzes presos da Operação Lava Jato que estavam presos na capital paranaense. Além disso, solicitou que a Justiça Federal do paraná enviasse ao STF todos os inquéritos e processos ligados ao caso.

Mesmo tendo saído da prisão, Paulo Roberto Costa não terá direito de deixar a região onde mora e é obrigado a entregar todos os passaportes às autoridades policias até essa terça-feira (20), apesar dos onze, dez acusados ainda estão presos em Curitiba, na PF, localizada na Casa de Custódia em Piraquara, um outro acusado está preso na Espanha e ainda há um foragido. De acordo com a Polícia Federal, Paulo Roberto Costa é apontado como um dos chefes da quadrilha que é responsável por movimentar em torno de R$ 10 bilhões em ações de lavagem de dinheiro.

Falha

Segundo as investigações, o ex-diretor da Petrobras esteve envolvido auxiliando as empresas de fachada que eram sustentadas pelo doleiro Alberto Youssef a fechar contratos com a estatal. Em meio a esses contratos surgem obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, nesta operação, a PF acredita que foram desviados em média R$ 400 milhões da obra, que é classificada como ‘superfaturada’ pelo Tribunal de Contas da União. Mediante a situação, o ministro Zavascki avaliou e decidiu dar a ordem sobre o pedido da defesa de Paulo Roberto Costa. Respondendo ao pedido, o ministro declarou que o juiz federal Sérgio Moro, que é responsável pelo caso no Paraná, teria que ter comunicado sobre o processo ao STF logo que foram descobertos os primeiros indícios do envolvimento dos deputados federais com o suposto esquema.