Publicado em: segunda-feira, 19/12/2011

Ex-árbitro e comandante do batalhão de São Gonçalo é preso na Dezembro Negro

O tenente-coronel Djalma Beltrami, comandante do batalhão de São Gonçalo (7º BPM) e ex-árbitro de futebol, foi preso nesta segunda-feira (19), como parte da operação Dezembro Negro, da Policia Civil, que tem como objetivo cumprir 26 mandatos de prisão contra policiais suspeitos de receber propina de traficantes de drogas.

Beltrami chegou ao comando da unidade depois que o tenente-coronel Cláudio Oliveira deixou o cargo, acusado de ser um dos responsáveis pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, morta em agosto deste ano com 21 tiros na entrada de casa. Há quatro meses no cargo, o oficial estava no batalhão de Bangu, quando se destacou ao assumir o comando do grupo que cuidou do caso do atirador Wellington Menezes de Oliveira, que invadiu uma escola e matou 12 crianças, no Rio de Janeiro.

Segundo a Polícia Civil, a operação Dezembro Negro é o resultado de sete meses de investigações, feitas por agentes da Divisão de Homicídios de Niterói. A princípio, os responsáveis por investigar o caso buscavam informações sobre homicídios praticados por traficantes na região de São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro. Durante esse período, por meio de escutas telefônicas, o esquema de corrupção de policiais militares no morro da Coruja.

O oficial acusado de receber propina do tráfico de drogas também teve destaque em uma carreira paralela. Como árbitro de futebol, ele chegou a apitar algumas partidas oficiais do Campeonato Brasileiro e até mesmo o empate em 1 a 1 entre Fluminense e Botafogo, válido pela Copa Sul-Americana de 2006.