Publicado em: quarta-feira, 03/07/2013

Evo Morales fica detido em aeroporto da Europa e situação causa crise diplomática

Evo MoralesO governo da Bolívia qualificou durante esta quarta-feira (3) a atitude de países da Europa fechar o espaço aéreo para o Presidente Evo Morales como ato de uma arrogância imperial. O motivo dessas suspeitas era que o ex-técnico da CIA Edward Snowden, que está sendo procurado pelos Estados Unidos estivesse dentro da aeronave.

O vice-presidente Alvaro Garcida Linera diz que Morales havia sido sequestrado pelo imperialismo. Com isso o gabinete dos ministros da capital La Paz, Linera disse que não se pode ficar impune esta tentativa de fazer colonialismo e Morales não é delinquente para ficar detido em um aeroporto. Linera ainda disse que não irão aceitar chantagens e nem nenhum condicionamento, em referência com países que haviam condicionado que o avião da Presidência tivesse que passar por uma revista para que prosseguisse o caminho, o que o vice-presidente diz ser uma afronta para os cidadãos bolivianos. O governo boliviano chamou povos e os governos da América Latina para que se manifestassem, e afirmou que a América Latina estava sendo pisoteada.

Esta recusa de que diversos países da Europa para que deixassem a aeronave contendo o presidente Evo Morales da Bolívia aterrissasse ou sobrevoasse os territórios chegou a provocar uma enorme crise diplomática frente as suspeitas que se mostraram infundadas, segundo apontou o governo boliviano, de que o norte-americano Snowden estava viajando dentro do avião do presidente boliviano.

Morales estava retornando para a Bolívia depois de uma reunião com a cúpula na cidade de Moscou, onde o avião havia recebido um aviso que a França iria negara a passagem pelo espaço aéreo do País antes de um reabastecimento em Portugal. Este voo então foi mudado para Viena, na Áustria. Após, a Itália também esteve se juntando nesta proibição.