Publicado em: quinta-feira, 15/03/2012

Eurozona aprova segundo resgate à Grécia e oferece 39,4 bilhoes de euros

A eurozona provou ontem (14) a segunda parte da verba destinada para resgatar a economia da Grécia. O primeiro pacote a ser retirado dessa segunda parte foi autorizado e tem o valor de 39,4 bilhões de euros. Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, disse que esse valor já permitirá uma melhora na economia grega e isso é importante para todo o mundo.

Os ministros de Finanças se reuniram ontem e decidiram pela aprovação depois de feitos os tramites burocráticos. Todos os estados-membros da zona do euro concordaram com o auxilio e permitiram que o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) fizesse a liberação do dinheiro que deve ajudar a recompor a economia e fazer o pagamento das dívidas.

Segundo Juncker, a Grécia deve aproveitar as oportunidades e demonstrar compromisso para se consolidar novamente como um país forte e economicamente ativo. Ele acrescentou ainda que os governantes precisam seguir com rigor as regras do novo pacote para demonstrarem melhoras visíveis da economia num período mais curto de tempo possível. Esse processo é importante, pois tem impacto na economia mundial, finalizou Juncker.

Com o auxílio europeu e com as negociações entre os credores e o governo será possível que Atenas reduza sua dívida de 160% para 117% do valor do PIB até o ano de 2020. Inicialmente previa-se um teto mínimo de 120,5%, mas com o desenvolvimento atual será possível chegar a 117%. Essas estimativas são feitas pela troika.

Neste momento a zona do euro está esperando o FMI aprovar a sua contribuição para a recuperação da Grécia. Estima-se que o valor sugerido seja de, no máximo, um terço daquilo que normalmente o FMI fornece para a Eunião Européia. Acredita-se que o auxílio total não deverá ultrapassar os 18 bilhões de euros.