Publicado em: quarta-feira, 16/11/2011

EUA vai enviar 2,5 mil militares à Austrália para fortalecimento militar

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou, junto com a primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, nesta quarta-feira (16) que vai enviar cerca de 2,5 mil fuzileiros navais para o norte da Austrália, medida que faz parte da expansão da aliança militar com o país. A divulgação da iniciativa não teve reação negativa da China. Os militares devem operar da cidade de Darwin, a principal e também a maior da região do norte da Austrália.

Em uma entrevista coletiva em Canberra, a primeira-ministra declarou “acordamos iniciativas comuns para incrementar nossa aliança de 60 anos de idade e para mantê-la forte no futuro. Trata-se de um novo acordo para expandir a colaboração existente entre a Força de Defesa Australiana e o Corpo da Marinha dos Estados Unidos e a Força Aérea dos Estados Unidos. Temos a intenção de construir isto por etapas”. A adaptação militar da parceria entre os dois países acontece em meio ao auge chinês.

Logo ao receber a notícia, o governo chinês se manifestou a respeito do assunto. De acordo com o porta-voz da chancelaria chinesa, Liu Weimin, “pode não ser muito apropriado intensificar e expandir as alianças militares e pode não ser do interesse dos países nesta região”.

Para o presidente norte-americano, o fortalecimento militar deve enviar a mensagem de comprometimento dos Estados Unidos com a região. Além disso, o presidente acredita que isso também destaca a intenção do país norte-americano em ficar na região, reconhecendo a importância estratégica que a Austrália tem para os Estados Unidos.