Publicado em: segunda-feira, 26/03/2012

EUA precisa acelerar crescimento para melhorar empregos

Segundo o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, a economia dos EUA precisa crescer mais rápido para produzir empregos suficientes para todos os desempregados e melhorar as taxas das pesquisas. O Federal Reserve é o banco central dos Estados Unidos. Benanke disse ainda que o declínio da taxa de desemprego ficou sem sincronia com o crescimento do restante da economia. A taxa caiu de 9,1% para 8,3% na última pesquisa. Enquanto isso o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 3 % nos últimos três meses de 2011, no entanto esse crescimento caiu nos três primeiros meses de 2012, já que se estima somente 2% de aumento.

Bernanke disse, durante um encontro da Associação Nacional para Economia Empresarial, que para um maior crescimento de empregos é necessário uma expansão mais rápida da produção pautada pelo aumento da demanda dos empresários e consumidores. É necessário ainda políticas acomodativas. O chairman ressaltou ainda que se preocupa com o desemprego a logo prazo, mas considera que as políticas monetárias são muito importantes para ajudar a resolvê-los. O Federal Reserve, por exemplo, fornece apoio para a recuperação do país e com isso poderá auxiliar na diminuição dos problemas de prazo mais extenso.

O representante do banco central americano esclareceu que o crescimento do salário nos EUA é muito pequeno para ser considerado como um risco para o aumento da inflação. Bernanke afirmou ainda que o mercado de trabalho está abaixo do seu potencial e precisa de esforços mútuos. Segundo o chairman, os salários não estão entre as maiores preocupações do país, pois não devem representar risco para a economia. O problema, segundo ele, está nos preços de commodities. Há ainda outros fatores que vem antes da questão dos salários. Ele disse também que o pouco aumento dos salários é condizente com o mercado de trabalho que se apresenta frágil e com desemprego cíclico.