Publicado em: quinta-feira, 23/02/2012

EUA podem aprovar remédio droga contra a obesidade

O comitê dos EUA deu parecer positivo e poderá influenciar a decisão do FDA na aprovação do novo medicamento contra obesidade. O FDA é a agência americana que regula medicamentos e alimentos. Essa aprovação deverá ser a primeira em 13 anos de trabalho. O remédio que espera para entrar no mercado é conhecido como Qnexa. O parecer do comitê foi dado ontem (22) após análise feita por endocrinologistas e especialistas em doenças metabólicas.

A empresa fabricante do remédio ofereceu novos dados ao comitê consultivo, os quais foram analisados pelos especialistas. Destes, 20 votaram a favor e apenas dois foram contra a aprovação. Esse resultado pode ser decisivo, pois influenciará o FDA no processo de aprovação da venda da droga. A decisão final da agência americana está prevista para o dia 17 de abril.

Em 2010, a empresa fabricante já havia pedido autorização para venda, mas o FDA rejeitou a proposta. Foram 10 votos contra o Qnexa devido aos riscos que o produto apresentava. O medicamento combina duas substancias: a fentermina, que serve para inibir o apetite, e o topiramato, que aumenta a sensação de saciedade. Estima-se que o Qnexa seja capaz de diminuir entre 6% e 10% o peso.

Droga pode causar problemas se ingerida durante a gravidez

O principal problema apontado pela agência em 2010 foi que o medicamento pode aumentar o risco de lábio leporino em bebês caso a mulher tome o medicamento durante a gravidez. O FDA solicitou, em carta, mais informações para a empresa fabricante da pílula sobre os riscos cardiovasculares e também sobre a possibilidade de malformações de bebês.

A empresa Vivus Inc., fabricante do produto espera obter a aprovação para comercializar o medicamento. A prescrição é de uma pílula uma vez por dia em pacientes com índice de massa corporal (IMC) acima de 30 ou com sobrepeso (IMC acima de 25).