Publicado em: quarta-feira, 29/02/2012

EUA cancelam contrato com a Embraer

Apresentando uma mudança inesperada para a Embraer e para o mercado, a Força Aérea dos Estados Unidos cancelou a compra de 20 aviões A-29 Super Tucano. A informação foi repassada para a Embraer ontem (28) e o valor do contrato que seria assinado era de US$ 355 milhões. A justificativa utilizada pela Força Aérea para o cancelamento foi de problemas com a documentação, no entanto acredita-se que houve motivações políticas. A rival americana da Embraer, Hawker Beechcraft, havia sido derrotada na escolha dos aviões.

Segundo o secretário das Forças Armadas, Michael Donley, a empresa precisou adotar medidas corretivas, por isso cancelou a compra e que isso se deve a insatisfação do responsável pelas aquisições, David Van Buren, que encontrou problemas na qualidade da documentação enviada pela Embraer. Ontem (28), a porta-voz da Força Aérea, Jennifer Cassidy, afirmou que não sabe quando o processo será retomado e também não deu detalhes sobre as razões do cancelamento.

O presidente da Embraer, Luiz Aguiar, informou por meio de nota que a empresa vai aguardar mais informações para depois decidir os próximos passos. Aguiar lamentou os problemas e disse que a Embraer disponibilizou toda a documentação requerida dentro do prazo estipulado.

Para o presidente da EDS, a decisão tinha sido pelo produto de melhor qualidade no mercado e que atenderia as demandas apresentadas pela Forças Armadas. Os aviões seriam levados para o Afeganistão.

Rival americana pode ser motivo de cancelamento

A Hawker, rival americana da Embraer, contestou na Corte Federal de Apelação americana a decisão da Força Aérea de optar por comprar aeronaves brasileiras e desqualificá-la na licitação. Como a Hawker era a única concorrente da Embraer, está última foi vitoriosa. A decisão judicial ocorreu no início de janeiro, mas estava sendo esperada apenas para o fim de fevereiro e começo de março. De acordo com um executivo da Embraer nos EUA, a escolha das Forças Aéreas se mostrou consistente, pois estava de acordo com as regras da licitação e os argumentos da Hawker eram muito fracos.