Publicado em: quinta-feira, 20/02/2014

Estudos dizem que no futuro pacientes com câncer poderão monitorar a doença por meio de exame de sangue

No futuro pacientes com câncer poderão monitorar a doença por meio de exame de sangueOs estudos que tem sido feitos em torno do câncer, revelam que em um futuro que não está distante, pacientes poderão monitorar a própria progressão ou regressão da sua doença, por meios de exame simples e rotineiro de sangue, sem precisar se submeter a biópsias ou exames complexos de imagens, e os estudiosos ainda acreditam que daqui um tempos os pacientes também consigam, usando a mesma técnica, dar um diagnóstico precoce de novos casos de câncer, antes que o tumor cresça e se torne visível e palpável, estes procedimento irão prevenir muitos problemas futuros que se dão após o desenvolvimento do câncer.

Dois trabalhos que foram publicados na edição dessa semana da revista Science Translational Medicine, alegam a eficácia que possui o uso do DNA tumoral (ctDNA, em inglês) como um marcador sanguíneo que é fundamental para o diagnóstico e monitoramento de tipos de câncer variados. Nestes trabalhos eles mostram que é possível através de análise de fragmentos de DNA das células tumorais, contidas na corrente sanguínea, identificar as características genéticas do tumor e assim acompanhar a evolução da doença no tratamento. No caso, essa análise serve também para descobrir se o paciente tem a doença, a ocorrência da metástase (quando as células do tumor que é primário se espalham para outros órgãos) e até mesmo o surgimento de mutações que são essenciais para o direcionamento do tratamento. Tudo isso acontece por meio de exames de DNA no sangue, ao qual os cientistas apelidaram de “biópsia líquida”.

Vantagem

Essa ideia já vem sendo testada há anos por laboratórios ao redor do mundo. O que estes trabalhos tem de novo, é o fato de trazer mais uma “prova de conceito” para aplicações nas práticas médicas. A vantagem é a possibilidade de monitorar constantemente a doença através de um método que é considerado simples, rápido e não invasivo. Este é mais prático do que muitas biópsias sólidas de tumores, que na maioria dos casos estão em lugares de difícil acesso no corpo.