Publicado em: quarta-feira, 13/03/2013

Estudo diz que opção curtir no Facebook pode revelar mais do que a pessoa deseja

Estudo diz que opção curtir no Facebook pode revelar mais do que a pessoa desejaO botão ‘curtir’ do Facebook pode dizer muito mais do que está sendo pretendido. Uma pesquisa que foi publicada durante a última segunda-feira (11) demonstrou a analise dos padrões das preferências que podem dar estimativas de maneira surpreendentemente precisa das informações pessoais que o usuário não chega a expor, como por exemplo, a raça, a idade, o Q.I., a sexualidade, entre outras.

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e também do Microsoft Research, que divide as pesquisas junto com a gigante de softwares norte-americana, chegaram a desenvolver um algoritmo que utiliza as opções como curtir, de maneira publica disponível a não ser que o usuário configure a sua privacidade para ocorrer de maneira mais rígida, para que crie perfis como a personalidade, e revelar de maneira potencial os detalhes íntimos da vida das pessoas.

Esses algoritmos chegam a ter uma precisão de cerca de 88% para diferenciar homens e mulheres e entre 95% para que em distinguir afro-americanos de caucasianos. Estes métodos matemáticos extrapolaram informações como por exemplo a orientação sexual, se o usuário utilizou drogas ou se os pais do usuário são separados.

Estes dados podem ser utilizados como estratégias para propaganda e marketing, porém também podem fazer que usuários fiquem retraídos devido a quantidade dos dados pessoais que são revelados, disseram os cientistas. O cientista de psicometria David Stillwell e co-autor desta pesquisa diz que é bem mais fácil que seja clicado sobre o botão curtir, pois é algo que seduz as pessoas. Porém ele diz que as pessoas não percebem que vários anos após todos estes curtir, as informações são armazenadas contra as pessoas.

Stillwell ainda explica que, mesmo que os dados do Facebook tenham sido utilizados neste estudo, perfis de maneira similar podem ser produzidos utilizando outros dados digitais, estando incluídas buscas pela internet, troca de e-mails e também telefonemas.