Publicado em: terça-feira, 10/02/2015

Estudo descarta que vacina contra HPV estimule comportamento íntimo de risco

Um estudo comprovou que a vacina contra o HPV, o vírus do papiloma humano, não é responsável ou leva os adolescentes que tomaram o medicamento a agir com comportamentos sexuais precoces ou mesmo o que poderia ser considerado arriscado. O estudo ainda mostrou que as adolescentes que tomaram a vacina não tiveram aumentas as taxas de DSTs, as doenças sexualmente transmissíveis. O resultado da pesquisa saiu na última segunda feira, dia 9 de janeiro.

A pesquisa aconteceu no período de cinco anos, entre 2005 e 2010, com a participação de mais de 20 mil adolescentes que foram vacinadas, além de um grupo de 186 mil que não receberam a vacina. AS adolescentes que participaram da pesquisa tinham idade entre 12 e 18 anos, moradores das mesmas regiões nos Estados Unidos. O resultado da pesquisa foi publicado em uma revista especializada, JAMA, da Associação Médica Americana. A taxa de DSTs foram medidas trimestralmente antes da aplicação da vacina e após a vacinação. Nos dois grupos, no que tomou e o que não tomou a vacina, a taxa das doenças aumentou no mesmo ritmo, seguindo uma taxa quase idêntica ao crescimento das meninas.Estudo descarta que vacina contra HPV estimule comportamento íntimo de risco

Com os dados levantados pela pesquisa, os cientistas ainda conseguiram determinar que não foi a vacina que mudou o comportamento sexual de algumas meninas. Um dos autores do estudo explicou que se o fato da vacinação da doença causasse um aumento das atividades sexuais arriscadas, eles teria observado um aumento também na infecção das doenças sexualmente transmissíveis. Muitos pais tiveram essa preocupação quando a vacina foi criada, em 2006. Legisladores, pais e alguns pediatras fizeram campanha contra a vacinação com o novo medicamento. Eles ainda defendiam que vacinar os adolescente iria acabar incentivando a prática de atividades sexuais arriscadas e precocemente.

Atualmente, a recomendação das autoridades de saúde é que adolescentes meninos e meninas sejam vacinadas contra o HPV, prevenindo contra o desenvolvimento de câncer de garganta, boca, pênis, ânus e útero.