Publicado em: terça-feira, 09/07/2013

Estudantes brasileiras usaram internet para marcar briga

Estudantes brasileiras usaram internet para marcar brigaDuas adolescentes estudantes de uma escola pública na cidade Senho do Bonfim, na Bahia usaram uma rede social para marcar uma briga entre elas na saída das aulas. Ambas afirmaram que a mãe de uma das alunas sabia do que se passava e incentivou o episódio.

A briga com dia e hora marcada atingiu proporções e até um dos alunos da escola usou um aparelho de celular para gravar a briga entre as duas estudantes, que aparecem primeiro discutindo e depois partindo para a agressão física frente à escola.

Muitos dos estudantes incitam a discussão entre as duas adolescentes e também para a agressão violenta entre elas, com tapas, empurrões, cabelos puxados, entre outras tantas trocas de agressões físicas que foram assistidas por diversos de seus colegas, que nada fizeram além de assistir.

De acordo com os estudantes presentes durante a briga, este teria sido agendada por ela através do uso da internet e a mãe de uma das meninas foi grande incentivadora da violência agendada entre as garotas. A mãe recebeu intimação da polícia militar local para depor sua participação na delegacia e a escola suspendeu cerca de 10 estudantes envolvidos no episódio.

Cyberbullying

O tormento do já existente bullying estendido também para o espaço da web coloca o estudante assediado em uma posição em que ele não se sentirá segura em mais nenhum lugar.

Uma pesquisa realizada ainda este ano através de uma organização não governamental (ONG) chamada Plan, que usou dados coletados de cinco mil alunos no Brasil com idades de dez até 14 anos chegou a conclusão que 17% deles sofreram cyberbullying pelo menos por uma vez. Entre este total acima, ainda 13% receberam insultos em seu celular e os 87% dos estudantes restantes receberam ainda textos e também imagens que foram enviados a eles através de e-mails ou redes sociais.