Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

Estudante acusada de matar o pai se prostituía no Rio de Janeiro

Érika Passarelli, de 30 anos, ex-estudante de Direito e ex-moradora de uma área nobre da cidade de Belo Horizonte, acabou se tornando prostituta na cidade do Rio de Janeiro depois de ter sido acusada de assassinar seu pai em Minas Gerais com o objetivo de ficar com o dinheiro recebido pelo seguro de vida dele.

Ela foi presa durante a madrugada da última quinta-feira (29) e encaminhada para a capital mineira. A mulher está com o visual muito diferente do que possuía na época em que vivia em Mina Gerais. Se antes mantinha os cabelos loiros e curtos, agora Érika os alongou e os tingiu de preto. Além disso, ela fez diversas tatuagens na tentativa de despistar a polícia. Em um dos braços está tatuado a palavra liberdade. Ela estava sendo procurada desde o ano passado.

O assassinato do pai da acusada aconteceu em agosto de 2010. Ao ser presa, Érika negou que tenha cometido o crime. Ela foi detida na cidade de Vargem Pequena, localizada na zona oeste do Rio de Janeiro, e teria planejado o assassinato do pai junto com o namorado e o sogro. Os dois suspeitos de participarem do crime foram presos em 2011 na cidade de Belo Horizonte, mas devem responder pela morte em liberdade. De acordo com as investigações da polícia de Minas Gerais, Érika tinha feito um programa pouco tempo antes de ser presa. Ao ser apresentada pela policia mineira, ela escondeu o rosto, envergonhada.

Antes de ser presa, a acusada foi vista ainda no Espírito Santo, e teria passado também pelos estados da Bahia e de São Paulo. Por fim, estava trabalhando em uma casa de prostituição no Rio de Janeiro. De acordo com as investigações policiais, ela e o pai aplicavam golpes e devido a um desentendimento por causa de dinheiro, ela teria assassinado o pai com três tiros.