Publicado em: domingo, 05/08/2012

Estrangeiros burlam esquema de segurança em Cumbica

Uma falha no esquema de segurança dos aeroportos brasileiros que recebem voos internacionais tem possibilitado que quadrilhas que fazem tráfico de pessoas entrem no Brasil com imigrantes ilegais que não passam pelo controle nem da Polícia Federal, nem da Receita.

Essa brecha no sistema de segurança estaria acontecendo nos voos que são conhecidos como cabotagens, que são aqueles em que as voos domésticos partem de aeroportos internacionais, deixando com que os passageiros que estão vindo de outros países possam se misturar aos brasileiros e assim não passar pela fiscalização dos órgãos competentes.

De acordo com um relacionado elaborado pelo Tribunal de Contas da União, o TCU, o governo tem que estar em alerta já que o número de casos desse gênero poderão aumentar durante os próximos eventos internacionais que o Brasil sediará, como a Copa do Mundo da Fifa de 2014.

Segundo uma investigação feita pela Polícia Federal, o Aeroporto Internacional de Cumbica, que está instalado em Guarulhos, São Paulo, já é utilizado pelos criminosos de uma rede chinesa que faz tráfico de pessoas.

Em entrevista, o delegado federal André Luiz Martins Epifânio contou que ficou surpreso com a organização da quadrilha, que vão da China até Dubai, nos Emirados Árabes, e depois vêm para São Paulo, onde não passam pela imigração e vão para os voos domésticos, de onde partem para o Rio de Janeiro e depois pegam um ônibus de volta para São Paulo.

De acordo com as informações fornecidas pelo delegado, dois chineses foram presos em junho depois que estavam tentando embarcar para a Argentina com outras 12 pessoas pela cidade de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. Eles usaram a falha da imigração de Guarulhos para chegar até lá. As suspeitas da Polícia Federal é de que os chineses sejam trazidos ao país para serem usados em trabalho escravo e exploração sexual.