Publicado em: sexta-feira, 01/11/2013

Especialistas extinguem vírus parecido ao HIV em estudo

Especialistas extinguem vírus parecido ao HIV em estudoOs médicos conseguirão futuramente dominar a infecção pelo HIV em doentes com um novo método, aplicando uma somatória de anticorpos designados a guerrear micro-organismos maléficos. É o que assinalam dois levantamentos publicados nesta semana na revista científica Nature. Verificado em macacos, essa tática diminuiu expressivamente os coeficientes de um parente do HIV no sangue. As decorrências também indicam que um dia a estratégia pode amparar a extinção do vírus da AIDS nos lugares em que se oculta no organismo, algo que os remédios sobrepostos presentemente não alcançam bancar.

A análise desponta técnicas que podem sublevar o empenho para a cura do HIV, se ficar provado que esse tipo de investida trabalharia em indivíduos da raça humana, conforme anotação inicial do periódico. Os exames avaliados foram realizados em macacos com o vírus da imunodeficiência símia.

Os anticorpos são proteínas no sangue que se conectam a definidos micro-organismos e os assinalam para seu banimento. Quem tem o HIV instituem espontaneamente anticorpos para bombardear o vírus da AIDS, mas esses habituam ser impotentes. Os dois novos esboços prevaleceram variantes inventadas em laboratório de incomuns anticorpos com uma rara força para encarar o vírus da AIDS. Uma dessas análises, realizadas em macacos rhesus, despontou ser diligente mesmo com apenas um aproveitamento de anticorpos, destacou Dan Barouch, doutor pela faculdade de medicina da Universidade de Harvard.

Em um dos examine, 18 bichos foram contaminados com o SIV, uma variante simiana do HIV; em 13 destes, os estados do vírus no sangue foram restringidos a ponto de se tornarem imperceptíveis, pelas avaliações modelos após sete dias de tratamento. Após isso os anticorpos se exauriram, o vírus regressou a agir. Isso ocorreu de um a três meses após o tratamento.