Publicado em: terça-feira, 05/06/2012

Espanha pede ajuda de Dilma para enfrentar crise financeira

Dilma Rousseff, a chefe de estado brasileira, declarou ontem, segunda feira (04), que todos os países envolvidos diretamente com a economia mundial tem a necessidade de atuar de forma coordenada para que seja possível resolver os problemas que a economia mundial vem enfrentando com a crise, sem que fiquem dependentes dos países emergentes.

O posicionamento de Dilma aconteceu depois que o rei da Espanha, Juan Carlos, solicitou que o Brasil defendesse o país europeu em fóruns internacionais. O que se espera é que o Brasil mostre apoio a ação de instituições européias em ajudarem os bancos espanhóis que passam por dificuldades. O encontro entre os líderes aconteceu ontem num almoço, com Dilma e rei Juan Carlos, além de autoridades e empresários brasileiros e espanhóis.

Na declaração conjunta do encontro, Dilma afirmou que a retomada do crescimento não pode ficar dependente das medidas tomadas por países emergentes. E ainda acrescentou: “Em um momento de crise é fundamental insistir em uma ação coordenada de todos os grandes atores da economia mundial”, encerrou Dilma.

Condição espanhola

Dentro da crise econômica européia, a Espanha é dos países que mais tem sentido os impactos. Dilma deu garantias de o país estará em busca da melhor maneira de colaborar com a Espanha para enfrentar a crise.

Um ministro que esteve presente na reunião afirmou que o Brasil auxiliaria o país europeu através de negociações e declarações ao longo do encontro do G20, no México, que acontecerá em duas semanas. De acordo com ele, não existe muito mais o que o país possa fazer.

De acordo com informações de Marco Aurélio Garcia, assessor internacional de Dilma, a reunião do Grupo 20 será dominada pelo clima do que for concluído nas eleições gregas, onde será definido se o país permanece ou não na zona do euro.