Publicado em: terça-feira, 19/06/2012

Escolas técnicas federais integram greve dos professores

Na tarde de ontem, segunda feira (18), mais de trinta mil professores e técnicos de instituições federais aderiram a paralisação que busca uma reestruturação da carreira de docente no país. Em todo o país são quase 40 instituições de ensino superior federal e 32 delas já integram a greve, de acordo com informações do Sinasefe, Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. Desde o segundo semestre do ano passado, a categoria dos docentes tem reivindicado junto ao Governo Federal um aumento salarial, segundo declarações do Sinasefe.

Carlos Davi Lobão, o coordenador geral do sindicado, explicou que agora em 2012, o pedido dos docentes é por um reajuste no solário de 22,08%. Este valor se deve a dois anos consecutivos sem reajuste, juntamente com o cálculo que considera o Produto Interno Bruto, o PIB brasileiro.

Histórico

Estava agendado para o dia 30 de março o encerramento das negociações. Entretanto, de acordo com Lobão, quando chegou o mês de maio sem que nenhuma proposta tivesse sido feita, a greve começou a ser articulada pela categoria. Ele ainda destaca que uma reunião de negociação estava prevista para hoje (19), mas acabou sendo cancela pelo Governo, que alega não conseguir encontrar um consenso.

Ainda segundo Lobão, entre os servidores federais, o dos professores é o mais baixo. Ele reafirma que a greve solicita a reestruturação da carreia dentro do magistério. A proposta é conseguir alinhar juntamente ao governo uma reforma dentro da carreira dos professores, onde seja incluído os valores de reajuste e outras demandas.

Entre docentes e técnicos administrativos, a categoria já conta com quarenta e dois mil integrantes, sendo que, desde ontem, mais de trinta mil deles já haviam aderido a paralisação.