Publicado em: terça-feira, 14/02/2012

Enem: ministro deve mudar método de correção das redações

Menos de vinte dias após assumir o Ministério da Educação, Aloizio Mercadante afirmou que pretende alterar o método de correção das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A proposta é criar procedimentos mais rigorosos, com mais segurança no processo de avaliação final.
Entretanto, o ministro não garante a realização de duas provas do Enem em 2013. “Primeiro vamos resolver o banco de itens, porque sem isso não temos condições de fazer com segurança dois exames ao ano”.

Enquanto era candidato ao governo de São Paulo na última eleição, Aloizio Mercadante criticou o atual sistema de aprovação automática. No entanto, o Ministério da Educação orienta os municípios a não repetirem os alunos nos anos iniciais no ensino fundamental.

O mais novo ministro da educação afirmou que não alterará esta política, e ainda diz que pretende apresentar um programa de alfabetização na idade certa, pretendendo focar em alunos com seis a oito anos de idade. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o ministro Mercadante prometeu colocar a área da educação como a política pública mais importante do país.

O Exame Nacional do Ensino Médio

A prova do Enem foi criada em 1998 como uma ferramenta para avaliar a qualidade do ensino médio brasileiro. Mais tarde, o exame começou a ser usado como exame de acesso ao ensino superior nas universidades públicas do Brasil, por meio do SiSU, Sistema de Seleção Unificada.

O Exame Nacional do Ensino Médio é o maior exame avaliativo do Brasil, contando com mais 4,5 milhões de inscritos. Em 2009, Fernando Haddad, então Ministro da Educação, propôs a unificação do vestibular das universidades federais usando um novo modelo do Exame Nacional.

A argumentação do MEC é que o vestibular tradicional desfavorece os candidatos que não podem se locomover por todo o território, não podendo participar de diferentes processos seletivos e universidades.