Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Empresas esperam aumento das vendas nesta Páscoa

Mais da metade das empresas varejistas estimam que os lucros vão aumentar nesta Páscoa se comparado com as vendas do mesmo período no ano passado. Em um levantamento feito ontem pela Serasa Experian 52% das empresas esperam aumento nos lucros. Nesta estimativa, 36% dos empresários acreditam que o faturamento deverá ser o mesmo de 2011. Já os outros 12% esperam queda na lucratividade. Para a pesquisa foram ouvidos 1.014 empresários em todo o Brasil, abrangendo todos os segmentos. As entrevistas foram feitas no período de 6 a13 de março.

Em comunicado, a Serasa informou que os entrevistados mostraram disposição e mostram que a Páscoa mostra um exemplo de estímulo ao consumo e também da redução dos juros. No ano passado, a Páscoa foi comemorada em um período contrário, quando haviam medidas macroprudenciais e elevação dos juros.

De acordo com os empresários, os ovos de chocolate representam 86% das vendas e são considerados como o principal presente de Páscoa buscado pela população. Depois do chocolate em formato de ovo, aparece o vestuário com 3%, seguido de celulares com 2%. Ano passado o chocolate foi a preferência de 91% dos compradores. As roupas ficaram com 4% das vendas e os celulares com mais 4%.

Gasto do comprador deve aumentar nesta Páscoa

O gasto que o comprador vai ter também foi medido pela pesquisa. A maior parte dos empresários (64%) esperam um gasto de até R$ 50 por parte dos compradores para esta Páscoa. 24% deles acreditam que as despesas sejam um pouco mais altas, ficando entre R$ 51 e R$ 100. Apenas 8% dos empresários estimam que os gastos devam passar de R$ 100. O otimismo, no entanto, está mais concentrado nas empresas de grande porte. Nesse setor de vendas, 73% dos empresários acreditam que os gastos vão aumentar nesta Páscoa. Já nas médias e pequenas empresas essa expectativa é menor, ficando em 62% e 51% dos entrevistados, respectivamente.

Os empresários estimam ainda que 49% das compras nesta Páscoa serão realizadas com pagamento à vista e 51% a prazo. No ano passado, havia um equilíbrio, com cada modalidade representando metade das vendas.

Por regiões, a Sul é a mais otimista, com 53% das empresas estimando vendas maiores estes ano, seguida pelo Nordeste (52%), Sudeste (51%), Norte (48%) e Centro-Oeste (47%).