Publicado em: sexta-feira, 21/02/2014

Empresa revela falha de segurança no Tinder

Empresa revela falha de segurança no TinderO Tinder foi considerado um dos principais aplicativos de 2013. Com ele, os usuários podem marcar encontros de maneira muito simples e, em tese, segura. Contudo, a Include Security, empresa especializada em segurança virtual, divulgou nesta sexta-feira (20) uma falha de segurança descoberta no Tinder em 2013 que, embora já resolvida, colocou em xeque a segurança do aplicativo e reacendeu a discussão sobre os cuidados que os usuários precisam ter com aplicativos.

A falha

Segundo a Include Security, a falha no Tinder foi descoberta em outubro do ano passado. Com ela, hackers tinham a possibilidade de descobrir a localização exata dos usuários do aplicativo em um raio de trinta metros. O Tinder se utiliza da geolocalização, permitindo que seus usuários encontrem pessoas próximas geograficamente. Contudo, por razões óbvias, o aplicativo não permite que seja revelada a localização exata de seus usuários.

Ainda de acordo com a Include, os responsáveis pelo Tinder solucionaram o problema em dezembro de 2013. Nesta sexta-feira, a Include publicou um vídeo em seu site oficial, demonstrando como a brecha na segurança do Tinder poderia ser aproveitada por hackers.

Discussão

A divulgação das descobertas da Include reacendeu uma questão importante sobre os cuidados que os usuários devem tomar com aplicativos, especialmente aqueles que se utilizam de geolocalização. De acordo com Max Veytsman, executivo da Include, os desenvolvedores de aplicativos têm dado pouca importância à segurança de seus usuários, pensando apenas na parte visual e nos recursos dos aplicativos.

A situação é mais grave em aplicativos exclusivos para dispositivos móveis, como o Tinder. Para Veytsman, os usuários têm de estar atentos aos riscos de determinados aplicativos, divulgando o mínimo possível de informações pessoais.

Outros riscos

Além dos riscos técnicos de aplicativos como o Tinder, há também uma questão de segurança “do mundo real”. O aplicativo reúne desconhecidos em grandes listas, com base na localização de cada um. Assim, os usuários podem visualizar os perfis e selecionar “positivo” ou “negativo”. Caso um sinal positivo seja recíproco – ou seja, o usuário A positivou B, e B positivou A -, o aplicativo inicia uma janela de chat, no qual é possível que os donos dos perfis possam se conhecer melhor.

Para ter um perfil no Tinder, é necessário se utilizar do próprio perfil do Facebook. Ou seja, é muito fácil que golpistas criem perfis falsos para enganar os usuários das mais variadas maneiras.

Cuidados

Isso, obviamente, não significa que os usuários devam simplesmente abandonar o aplicativo. Entretanto, há uma série de recomendações feitas por especialistas a respeito da utilização deste tipo de aplicativo. Primeiro, é altamente recomendável que os usuários tenham pelo menos uma conversa em vídeo com alguma pessoa que desejem encontrar pessoalmente.

Caso algum encontro seja marcado, valem as recomendações de sempre: escolha um local público, com grande fluxo de pessoas, como um shopping ou café, por exemplo. Por se tratar de um aplicativo baseado na localização de seus usuários, é interessante conferir se a pessoa tem amigos ou conhecidos em comum com você.